sábado, 8 de julho de 2006

Olá, esse é o meu poema (ou poesia, como quiser) predileto...nooooossa, ele diz mto, mesmo sem dizer...já o analisei de várias formas possíveis, cada vez que leio vejo algo diferente, e cada vez mais, me encanto...a última estrofe é perfeita...

Fim

Nem foi mesmo preciso que você falasse
era um pressentimento antigo dentro de mim;
há muito, na expressão que havia em sua face
via que o nosso amor ia chegando ao fim...

Hoje, para encontrá-la, eu quase não vim,
era o medo covarde deste desenlace.
E tudo terminou...e foi melhor assim
talvez, para você, que tudo terminasse.

Nosso amor, -e ninguém há de saber porque-
morreu, (bem que o sentimos pelo nosso olhar)
e não somos culpados nem eu, nem você;

e o que é estranho afinal é que tudo acabasse
sem que nenhum de nós falasse em terminar,
e assim como se tudo ainda continuasse...

(J. G. de Araújo Joge)

Nenhum comentário: