sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Fui, voltei e aqui cheguei! XD

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Envelheço na cidade

E esse foi, definitivamente, o aniversário mais estranho que já passei. Acredito que o ano, como um todo, foi um dos mais diferentes, se não o mais.
Eu entrei nos 21 anos cheia de expectativas, boas, ruins, expectativas como um todo..e me deparei com tudo o que eu não esperava.
Perdi pessoas. É, não gosto de perdê-las.
Coisas não aconteceram.
Muitos 'nãos' me rodearam durante todo o ano.
Claro que houveram coisas boas. Quanto a elas eu aprendi que é bom guardá-las para mim e quem importa, e só.

O tempo foi passando, o dia foi chegando e quando chegou a única vontade que eu tive foi a de desaparecer.
Eu não queria festa..não me lembro de uma outra vez em que eu não quisesse festa..enfim..
Mamãe fez festa, claaaro, sempre tem visitas..ahh..não há como lutar com certas situações.

Acredito que o dia passou mais leve pela presença dos meu amigos e pela certeza de ver o Gustavo. É, o Gustavo fez a diferença esse ano.

O dia finalmente acabou, senti o peso imenso da idade que chega, porque essa é, fora a morte, a única certeza.

Considerações a fazer: 

1. As pessoas são momentâneas, e isso me irrita profundamente.
2. Amigos de verdade não têm preço. Agradeço todos os dias pelos meus.
3. Espero que a comemoração pelo meu aniversário chegue logo.
4. 2661 e com a possibilidade remota de melhorar. É, fiquei feliz sim.
5. Adorei todos os meus presentes!! E nisso se inclui as mensagens e os telefonemas! *.*

E é isso.
Obrigada a todos pelas felicitações!

domingo, 17 de outubro de 2010

(...)
Eu: - Ai Fê, eu tô ficando velha...e agora? O que eu faço?
Fernadinha: - Ué, plástica!
(...)

Ela é fantástica!! *_*

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A Lista  

Faça uma lista de grandes amigos
Quem você mais via há dez anos atrás
Quantos você ainda vê todo dia
Quantos você já não encontra mais

Faça uma lista dos sonhos que tinha
Quantos você desistiu de sonhar!
Quantos amores jurados pra sempre
Quantos você conseguiu preservar
Onde você ainda se reconhece
Na foto passada ou no espelho de agora
Hoje é do jeito que achou que seria?
Quantos amigos você jogou fora
Quantos mistérios que você sondava
Quantos você conseguiu entender
Quantos segredos que você guardava
Hoje são bobos ninguém quer saber
Quantas mentiras você condenava
Quantas você teve que cometer

Quantos defeitos sanados com o tempo
Eram o melhor que havia em você

Quantas canções que você não cantava
Hoje assobia pra sobreviver
Quantas pessoas que você amava
Hoje acredita que amam você
Faça uma lista de grandes amigos
Quem você mais via há dez anos atrás
Quantos você ainda vê todo dia
Quantos você já não encontra mais
Quantos segredos que você guardava
Hoje são bobos ninguém quer saber
Quantas pessoas que você amava
Hoje acredita que amam você


Engraçado, toda vez que eu ouço essa música lembro daqui e penso em postá-la, mas sempre acontece alguma coisa e eu acabo esquecendo.. Lembrei dela agora a pouco, fiquei guardando a idéia para ela não escapar, por fim parei o que eu estava fazendo e vim antes que ela me fugisse novamente.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Mãe superprotetora ou frescura mesmo

Tenho tantas frescuras com o blog que tô me achando uma mãe superprotetora.

Não gosto de postar nomes. Quando coloco conversas é que o foco está no que foi dito e não em quem disse, o nome da pessoa quebra esse raciocínio.
Não posto fotos minhas, como fotos minhas estão todas as que eu estou e as que eu tirei. Acho que o Flickr e o Flog estão aí para isso, não preciso do blog para 'expor' mais ainda.
Tenho uma certa incerteza a respeito das minhas meninices, por isso não as posto por aqui, existem outros meios de mostrá-las. ;)
Tento não expor demais o meu namorado. Ele não tem culpa de eu ser uma blogueira.
Tenho o costume de não descer do muro quanto a assuntos sérios. A minha opinião é particular e eu não estou afim de discutí-la com seu ninguém.
Apesar de não parecer, não jogo indiretas para as pessoas. O que eu tenho de dizer, falo na cara, não preciso, para isso, me esconder atrás de um blog.
Não escrevo de uma forma difícil. Acho que para usar a língua portuguesa deve-se conhecê-la, não aditanta usar 'mesmo' tracentas vezes e em nenhuma delas de forma correta, bem como usar palavras difíceis e poucos entenderem do que se trata.
Procuro ser o menos objetiva possível quando o assunto sou eu. O que quero que saibam eu falo, não tento dificultar nada, só não digo e ponto.
Não uso o blog para fazer propaganda de mim e ser conhecida na net, muito menos para chamar atenção. Ele é uma extenção de mim e eu não sou assim.

Não me preocupo com o que vão achar do que postei.

Enfim, e essa lista segue com uma infinidade de 'não faço', 'não uso', 'evito', 'não gosto', 'não', 'não' e 'não'.

Está na hora de deixar o blog crescer e fazer menos restrições.
Outras coisas estão surgindo e não tenho mais porque ficar com tantas frescuras por aqui já que não as tenho em outros lugares.

E é isso.

B-jos e,
Até...