segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Ciumenta!

Ciumenta
César Menotti e Fabiano
Composição: Bonni / Belluco

Saia dessa paranóia
De dizer que tenho outra
Porque assim você vai ficar louca
É uma barra o teu ciúme possessivo
Nunca põe fé naquilo que eu digo
Me liga toda hora pra saber
Com quem é que eu estou
No futebol com os amigos
Ou em qualquer lugar que eu vou

Ciumenta
Para de ser tão ciumenta
Desse jeito nenhum homem te aguenta
Para eu já não sei o que fazer

Ciumenta
Para de ser tão ciumenta
Desse jeito nenhum homem te aguenta
Se liga ou você vai me perder


P.S.: Sou ciumenta messsssssmo, não quero nem saber!!!
"Ninguém é vilão ou mocinho 100% do tempo."

domingo, 30 de agosto de 2009

" - Eu me determinei a não ter uma vida mediana, a não aceitar as coisas como me são entregues.
Eu escolhi e paguei todos os preços por isso."

(Marília Gabriela)

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

'Eu só aceito a condição de ter você só para mim!






















...eu sei, não é assim...mas deixa eu fingir?... '

domingo, 23 de agosto de 2009

"Alice não escreva aquela carta de amor"

Get this widget | Track details | eSnips Social DNA

(É mais emocionante ler escutando a música XD )


Será amor o que existe nessa carta?

Ele, por ser tão azarado, já deve imaginar que a 'carta de amor', no final, será uma carta de término, por isso ele pede para que ela fique mais uma semana "fica mais uma semana, desse jeito a gente engana"
E por dias ele insiste em mostrá-la, mil motivos para ser 'suportado'.

"Sempre tive medo das suas ideias, por quê você precisa ser tão sincera?"
Mas não é exatamente isso o que a torna tão diferente? Suas ideias e sinceridade?
Se ela fosse de outra forma, se se comovesse com toda a tragédia cômica que é a vida dele e não escrevesse a fatídica 'carta de amor', ele teria todo esse 'amor' por ela?

E por fim a carta nao passa mesmo de um bilhete de despedida (acredito eu).

Ela é assim:
"Alice que a carta escreveu"


Alice (Não Me Escreva Aquela Carta de Amor)
Leoni
Composição: Leoni / Paula Toller / Bruno Fortunato

Tantos sonhos morrem
Em poucas palavras
Um bilhete curto
E já não há nada
Alice, não se esqueça
Do nosso amor
Será que eu tenho sempre
Que te lembrar?
Todo dia, toda hora
Eu te imploro
Por favor

Alice não me escreva
Aquela carta de amor

Sempre tive medo
Das suas idéias
Por que você precisa
Ser tão sincera?
Alice, eu tô treinando
Pra te enfrentar
Tenho mil motivos pra
Você me suportar
Fica mais uma semana
Nesse tempo a gente engana

Alice não me escreva
Aquela carta de amor

Todo mundo sabe de alguma coisa que eu não sei
De um filme que eu não vi
De uma aula que eu faltei
Por mais que eu tente eu nunca chego no horário
Eu perco tudo que eu ponho no armário

Tudo atrapalha o que eu faço
Mas pros outros parece tão fácil

A fila que eu escolho vai sempre andar mais devagar
E o troco acaba bem na hora em que eu vou pagar
Se eu me distraio um único instante
Pode apostar que eu perco o mais importante

Tudo atrapalha o que eu faço
Mas pros outros parece tão fácil

Os vizinhos devem rir por trás do jornal
Eu desconfio de um complô
O maior que já se armou
Uma conspiração internacional

Alice não me escreva
Aquela carta de amor


P.S.: Lembro a primeira vez que interpretei a música dessa forma. Passei o dia cantando a música, de repente me dei conta que ela ia terminar com ele, cheguei a passar algumas horas discutindo com um alguém sobre isso. Acho que o convenci, talvez demais..mas essa é uma outra história XD

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Ansiedade

Em princípio, a ansiedade não é doença, e sim uma resposta do organismo às situações que geram grande tensão física e psicológica, faz parte do sistema de defesa do ser humano e está projetada em quase todos os animais vertebrados.
O significado mias aceito é do psiquiatra Aubrey Lewin: "Um estado emocional com a qualidade do medo, desagradável, dirigido para o futuro, desproporcional e com desconforto subjetivo."
É problema de ordem do comportamento que afeta o convívio social e pode apresentar-se como sintoma em muitas doenças ditas emocionais e mentais, interfere sobremaneira nos níveis de satisfação do indivíduo.
Os sintomas da ansiedade são muitos, entre eles: tristeza, irritação, cansaço, taquicardia, náusea, enjôo, tensão muscular e ganho de peso.
Não obstante, se bem dosada, funciona como um importante mecanismo de proteção. Doses moderadas de apreensão e vigilância - reações típicas da ansiedade - são saudáveis e não devem vir acompanhadas de culpa. Isso significa que é permitido ficar ansioso sim, desde que se aprenda a lidar com esse estado.

(fontes de pesquisa: www.irc-espiritismo.org.br e www.meunene.uol.com.br )



P.S.: Deve-se conhecer aquilo que se combate. ;)

P.S.²: Sim, eu que escrevi! *.* Claro que com uma ajuda gigantesca dos textos originais, na verdade, esse é só uma adaptação de algo já existente, mas e daí?! =p

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

"Todo dia ainda de pé o Zé dorme acordado"

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

" [...]

Alguns diriam que isso é megalomania, outros que é apenas idiotice, não importa, quero ser alguma coisa. Alguma coisa que não sei bem o que é. Sei muita coisa que eu não quero ser, mas acho que isso não refresca nem um pouco a minha angústia.

[...] "

(Por que entrei no twitter? - Henrique Szklo)

domingo, 9 de agosto de 2009

"Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser..."
"Tenho medo do futuro
tenho medo de ter medo,
tenho medo do escuro
tenho medo de mim mesmo"

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

~~Você falou que não ia fugir, que não ia desistir...
e agora fugiu!~~










Cadê você?
Sumiu?










P.S.: Recadinho para Kézia, de sua fiel escudeira Anna

domingo, 2 de agosto de 2009

Conhecendo o conhecido õ.O

"Quando a mente se posiciona perante a verdade, o que de fato ocorre é um processo ativo de auto-regulação entre uma pessoa, seus conhecimentos preexistentes (a priori) e um novo fato que se apresenta"

(Abordagem fenomenológica de produção de conhecimentos - Augusto Rosito)