sábado, 1 de abril de 2006

"Não estou (Fernando Pessoa)

Não estou pensando em nada
E essa coisa central, que é coisa nenhuma,
É-me agradável como o ar da noite,
Fresco em contraste com o verão quente do dia,
Não estou pensando em nada, e que bom!

Pensar em nada
É ter a alma própria e inteira.
Pensar em nada
É viver intimamente
O fluxo e o refluxo da vida...
Não estou pensando em nada.
E como se me tivesse encostado mal.
Uma dor nas costas, ou num lado das costas,
Há um amargo de boca na minha alma:
É que, no fim de contas,
Não estou pensando em nada,
Mas realmente em nada,
Em nada..."

PS: "Há um amargo de boca na minha alma: É que, no fim de contas, Não estou pensando em nada, mas realmente em nada, em nada..." ... Será que é tão difícil assim entender ?!?

Nenhum comentário: