sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008




" Dizem por aí que sinos imaginários tocam quando conhecemos pessoas especiais, mas com a Menina não foi assim. Ela era esquisita e, como toda gente esquisita, ela reagia de forma esquisita. Pois bem, embora fosse dia de festa e o salão estivesse abarrotado de gente, ela permanecia quietinha num canto porque era esquisita e gente esquisita geralmente age assim em festas, como se fosse um patinho feio de penetra no banquete dos cisnes. Tudo corria dentro do previsto e ela encenava seu papel de esquisita com toda a convicção do mundo. De repente, a coisa desandou. O Menino a viu ali naquele canto com aquela cara de esquisita e no que pegou em sua mão já rodopiava pelo salão. Entre assustada e eufórica, ela foi deixando cair a máscara de esquisita nos braços do Menino. No dia seguinte, a cartela de Tylenol reluzia em cima da cabeceira. Não ouviu os tais sinos, nem badalos, nada de violino ao fundo e nem sirene de ambulância dava sinal de alerta. Estava tão encantada com o Menino que só o fato de lembrar que ele existia a deixava com dor de cabeça. Ela era esquisita e, como toda gente esquisita, ela reagia de forma esquisita. Onde já se viu passar dias e dias com dor de cabeça de felicidade? "

(autor desconhecido)


P.S.: Esse povo esquisito, viu?!

Um comentário:

Beatriz disse...

=D TEXTO ESQUISITO, HEIN?!
Eu gostei. Será que sou esquisita também? rsrsrsrsss
...
Mudando de assunto
...
No "último dia do cursinho" consegui te levar para o intervalo, mas me esqueci do detalhe... certa vez você me disse que não gostava de grupos maiores que três pessoas...
E, pude perceber isso na prática, você deixou a gente lá, tomando cafezinho e sumiu!!!!
...
:D huahuahuahaa
...
Desculpa, Késia, não faço mais isso, prometo! Beijos!