sábado, 2 de dezembro de 2006

"(...)
...Na verdade, ela sempre pareceu ter um certo fascinio pelo abismo.
Quase como se acreditasse que merece cair.
Nada do que eu tenha dito ou tenha feito mudou isso.
Nao sei se eh falta de amor próprio, ou carência extrema.
Na verdade, sei o que é.
é medo.
Medo de ser de alguém, e ter essa pessoa para si.
Medo de viver o mundo pelas regras do mundo.
Medo de ter alguém que possa vir a fazer falta um dia...
(...)"

PS.: Medo, medo, medo...covardia...quantas coisas deixamos de viver, quanto poderia ter sido, quanto seria mudado, quanto tudo podia acontecer se não fosse o medo...

2 comentários:

Naty disse...

Medo que nada, abre os braços e se joga. Beijso

Naty disse...

Medo que nada, abre os braços e se joga. Beijso